Arquivos do Inferno, 40 anos da obra maldita de Paulo Coelho

Frascos & Comprimidos

O sol estava de rachar. O calçadão de Copacabana fervilhava de calor e de gente num sábado ali nos meados dos anos 80. Fomos eu e meu pai dar um mergulho na altura do Posto 4, e tivemos um encontro que demorei anos para entender. Sentado no banco de cimento da orla, a figura de cavanhaque – cigarro em uma das mãos, algum tipo de leitura na outra -, estava distraída com aquele marzão.

Meu pai armou e deu o susto. “Filho da puta”, respondeu o amigo, que logo puxou papo descontraído, do qual pouco me lembro. Depois de calorosa despedida – isso recordo nitidamente – fomos ao mar.

Longos anos depois, os livros daquela figura de Copacabana ganhavam as prateleiras. Recordes de vendas, traduções em diversas línguas. O cavanhaque ainda estava lá, os cabelos mais ralos e com fios brancos. O jeito de falar não deixava dúvida: aquele…

Ver o post original 662 mais palavras