Mulheres na indústria dos Videojogos: um mundo que já não é só deles

aborda.pt

A constante associação com o masculino é uma realidade no mundo dos videojogos. Em ambientes ainda dominado pelos homens, o assédio e a discriminação acompanham o percurso daquelas que desafiam os estereótipos.

Sara ‘Ymna’ é um exemplo. Ela joga desde que se entende por gente e hoje é League Partner, um título atribuído a jogadores que divulgam conteúdo do League of Legends. A streamer fala sobre como uma representação positiva deve passar por normalizar essa presença e combater julgamentos e preconceitos regularmente associados às mulheres. Ymna nota que as oportunidades têm crescido, especialmente no lado competitivo dos videojogos e que “as equipas têm realmente apostado no lado feminino”.

Desde 2014, quando começou com as transmissões ao vivo na Twitch – plataforma que tem como principal conteúdo os videojogos e com média de cerca de 3 milhões de espetadores em simultâneo (2021) – ela vem percebendo como ser mulher…

Ver o post original 357 mais palavras