Conversas de calçada

em

carmattos

É Tudo Verdade: O FILME DA SACADA        

Podia ser mais um filme de pandemia, mas foi feito antes. Durante várias estações, Pawel Lozinski instalou câmera e microfone na sacada do seu apartamento numa rua tranquila de Varsóvia e chamou os passantes da calçada para um bate-papo à distância. Pedia que dissessem alguma coisa sobre si e sua vida. Qualquer coisa. Desde que abrisse uma janela de conversação.

Alguns passam por ali uma única vez. Outros são transeuntes habituais e desenvolvem uma relação frequente com o maluco que está fazendo um filme sem botar os pés na rua. Há a viúva que há 13 anos lamenta a morte do marido; o ex-presidiário que tenta refazer a vida honestamente; a faxineira já idosa que limpa a calçada e apara os gramados dos vizinhos; a moça introvertida que se surpreende conversando com um estranho. E assim por diante.

Para nós, brasileiros, O…

Ver o post original 176 mais palavras