O Construtor de Muros

Estórias da Violência

Ele construía muros para não deixar entrar ninguém. Um dia não conseguiu ele sair. Esqueceu-se que o que impede de entrar também impede de sair. Morreu queimado dentro do carro. O mecanismo de abertura do portão deixou de funcionar por causa do calor extremo. Ele tentou forçar o portão com o carro. O carro ficou esmagado. Ele morreu queimado dentro do carro. Talvez tenha morrido primeiro, sufocado no fumo do incêndio. Nunca soube. O portão nunca abriu.
A primeira vez que voltei a casa dele, depois da sua morte, os muros estavam destruídos mas algumas partes ainda se mantinham erguidas. Já não impediam a entrada a ninguém. Já não havia ninguém a impedir a entrada. Também não havia ninguém para entrar.
Eu contornei os muros destruídos. Passei pelas árvores carbonizadas. Vi o carro queimado com a parte da frente como um fole, toda encolhida. Não tinha pneus. Nem vidros. Não…

Ver o post original 318 mais palavras