À beira de ser cancelada

Resista! Observatório de resistências plurais

Quando falamos de cancelamento, falamos de atos consumados. Uma marca, uma obra ou a celebridade do momento já não merecem mais a nossa atenção, dinheiro ou carinho, e a sua indicação parece-nos relevante. Mas também existe todo o resto. Uma maioria silenciosa que vê o que acontece. Vemos cancelamentos entre iguais, na maioria das vezes, pessoas que estão muito longe do pico social. Sabemos de cancelamentos que ocorreram sem violência estrutural envolvida, entre amigos e relacionamentos que, em nome da “comunidade”, fraturaram essa mesma “comunidade”.

Nas redes sociais não nos encontramos mais como comunidade, dirigimo-nos a um público. Um público bastante disposto a cancelar e cuja atenção se nutre mais de raiva, indignação e punitivismo, basicamente de medo.

Mas, então, o que fazemos com esse medo? Porque parece que apenas um pequeno passo nos separa do precipício do cancelamento. A qualquer momento você pode se ver naquela situação e, sem…

Ver o post original 477 mais palavras