Ciranda de Pedra – Lygia Fagundes Telles

Livróglio

No belíssimo texto “Uma carta para Borges”, Susan Sontag diz:

(…) Você (Borges) disse que devemos à literatura tudo o que somos e o que fomos. Se os livros desaparecerem, a história desaparecerá, e os seres humanos também. Tenho certeza de que você tem razão. Livros não são apenas a suma arbitrária de nossos sonhos e de nossa memória. Eles nos dão também o modelo da autotranscendência. Algumas pessoas pensam apenas como um tipo de fuga: uma fuga do mundo cotidiano “real” para um mundo imaginário, o mundo dos livros. Livros são muito mais. São um modo de ser plenamente humano. (2020, p. 134)[1]

Transcendência talvez seja a palavra perfeita para iniciar uma conversa sobre Ciranda de Pedra, livro escrito por Lygia Fagundes Telles e publicado pela primeira vez em 1954. Transcendência, no mais amplo sentido da palavra, o próprio ato de uma significação que…

Ver o post original 915 mais palavras