Chuveiro queimado

Elas contra Tebas

Remedios Varo. Mulher saindo do psicanalista, 1960.

Raíssa Padial Corso-

O chuveiro tinha queimado.

Manuella havia no mesmo dia percorrido o corredor com olhares cínicos, pedantes e piedosos. Ainda bem que ela não tinha muita coisa pra levar, uma planta quase seca como ela, num corredor seco, numa cidade seca, relações secas. Sim, a monotonia regava…. Ela árida, sussurrava para si autoajudas e grilhões, se preocupava com a infiltração, e com a pia entupida. Manuella pingava percorrendo o corredor, na caixa também trazia um cartão de amigo secreto, os erros de linguagem a irritavam, porém, era sinal, quimera, pontinha de afeto. Enquanto cruzava o corredor, ouvia pela última vez os diversos telefones que tocavam ao mesmo tempo, o barulho dos teclados apressados, máquinas de criar solidões, observava como em câmera lenta, um porta-retratos, férias de troféu, outras plantas moribundas como a dela. Barulhos de saltos a esmagavam, como subliminares avisos…

Ver o post original 243 mais palavras