Monos

Toca do Cinéfilo

Monos (2018 – COL)

O cineasta Alejandro Landes nos convida à selva amazônica colombiana. Em planos belíssimos, o filme abre com um grupo jogando futebol, com os olhos vendados, numa espécie de ruínas, no alto de uma montanha. A seguir descobrimos que se trata de um grupo jovens guerrilheiros que sequestraram uma engenheira americana. Uma organização, um braço da Farc, que aprende com os guerrilheiros mais experientes, mas tem sua independência. Um bando de jovens inexperientes, seguros de si, que empunham armas e se embrenham na selva. Talvez sem nenhuma inclinação político-social, a não ser o único estilo de vida que conhecem, ou podem imaginar viver.

O filme de Landes é intenso, entre o lamaçal, mosquitos e violência, o grupo tem disputa de poder, romances, e a imaturidade colocada à prova. Mas, o instingante do filme é esse mergulho instintivo em personagens e o meio em que vivem, algo que…

Ver o post original 30 mais palavras