Que utopia é desejável, a tua?

Balaio Caótico

(Utopia, Texas, USA)

Em 1879, Jules Verne escreveu um romance que contemplava sua utopia, a France-Ville, uma cidade modelo onde a higiene e a educação seriam suas bases.

Assim como a ilha de Utopia de Thomas More, são utopias ‘positivas’. Descrevem locais com abundância de riquezas e paz. Um sossego. Etimologicamente, entretanto, utopia refere-se a um “não lugar”, um lugar inexistente.

Há, em contraponto, as distopias, que exploram a veia contestatória ao existente, exagerando-o.

Ainda, temos o que Ernst Bloch classificaria e “utopia concreta”, no sentido de que são localidades concebidas pelas ideias de seu criador, como a Colônia Cecília aqui no Brasil, no século XIX – um experimento anarquista já comentado aqui.

Não deixa de ser ‘utopia’ as cidades planejadas, premiadas com as visões nada democráticas de urbanistas, que normalmente pensam em tudo, menos nas pessoas – caso de Brasília, por exemplo.

Entretanto, como…

Ver o post original 92 mais palavras