Costurando o isolamento

em

Matheus Arcaro

Ao ouvir a notícia na televisão, Miguel puxou o ar do assoalho do corpo magro e miúdo. É bem verdade que não se falava em outra coisa nos últimos dias. Mas ali, naquele instante, mostrava-se reluzente a confirmação oficial. Lúcia ajeitou o tapete e sentou-se novamente no sofá comprado semanas antes. Olhando para o porta-retrato ao lado da TV – a foto da avó sorridente –, Miguel apertou os dedos da mãe com mais força. A mulher respondeu com os olhos, uma manta negra a cobrir as aflições do filho. Pelo menos era esta sua impressão. Mas é curioso notar que a mente humana não se entrega de modo tão promíscuo, mesmo quando se tem nove anos e alguns meses de idade. Nem sequer à própria mãe.

Miguel emprestava os ouvidos e os olhos ao governador na tela da TV. Embora não compreendesse todas as palavras que saltavam…

Ver o post original 692 mais palavras