Alberto Fernández?

Durante o fim da década de 1950 e o início da década de 1960, o Brasil e a Argentina entraram numa rota de convergência política. O Brasil de JK e a Argentina de Frondizi lideravam países desenvolvimentistas, com alto grau de afinidade de ideias, inaugurando uma nova diplomacia de simpatias bilaterais. Porém, numa troca de governo argentino, esta afinidade findou-se. O novo líder do país, o militar José María Guido, submeteu a política externa argentina às dinâmicas/imposições maniqueístas da Guerra Fria. Segundo Amado Cervo (2007): “A chancelaria brasileira via então se esvair em sonho seu ideal de convergência das posições dos países da região e digeria o conselho de seu representante em Buenos Aires:

Nada esperar deste governo, mas de modo algum hostilizá-lo, porquanto a manutenção de, pelo menos, relações diplomáticas boas entre Brasil e Argentina, constitui imperativo estratégico elementar não só para os dois países em particular, como para…

Ver o post original 148 mais palavras