A caça ao monstro (conto). Parte 2 (final): Nunca use uma arma sem estar pronto para morrer também

Terceira Margem

JOSÉ CARLOS FINEIS – Depois do suicídio do velho Ezequiel, nós todos da aldeia nos esforçamos por pensar mais no trabalho e menos na tragédia, até porque não se pode deixar as criações e a lavoura ao deus-dará. Nem bem o velho baixou à cova, cada qual retomou sua rotina, que só foi alterada no dia da reconstituição do enforcamento.

Leia a primeira parte deste conto clicando aqui.

Acontece que, em minha cabeça, muitas perguntas sem resposta continuaram a se debater de forma obsessiva. A todo momento do dia ou da noite, acordado ou durante o sono, a imagem do enforcado me voltava à memória, sempre acompanhada de interrogações tão evidentes que, mesmo sendo eu um camponês de poucas ciências e habilidades, me admirava de que nem a Polícia nem ninguém tenha dado a menor atenção a elas.

Já falei que o cadáver do sr. Ezequiel não parecia com o…

Ver o post original 3.970 mais palavras