Uma garrafa envelhecida

Visão em Paralaxe

Dedicado ao meu bom amigo Joabe, que sugeriu e participou indiretamente da construção.

 

Então ela vai embora,
Deixando as paredes em chamas, queimando tudo,
Depois cinzas e o silêncio dos quartos estranhamente vazios,
A salvo apenas a adega,
Destilados e fermentados, e,
Uma garrafa que guardou durante anos,
Algo que sobrou de uma festa,
Salvou de um beijo,
Guardou de uma foda meia boca,
Às vezes com uma dose,
De cada vez que não a abriu,
Pensando consigo mesmo,
“Na próxima vez será melhor”,
E aquele Vinho ou Whisky,
Guarda um pouco de tudo,
Tudo quanto se amou uma vez,

E no escuro dessas horas,
Sentado na noite, comendo os restos da semana,
Do mês ou dos anos, com uma fome,
Que comeu também a embriagues e o doce,
E o ardor, e a beleza,

Nas tardes horas,
Em que as portas, lentamente,
Depois de tantos anos,
Finalmente se…

Ver o post original 165 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s