O texto sagrado como labirinto

angeliquisses

O labirinto é um símbolo arquétipo que suscita diversas interpretações e inspirações. O labirinto é uma construção feita para a perdição, é uma multiplicidade de caminhos que dissolve a todos. “Labirinto, pura geometria que protege e ao mesmo tempo aprisiona, avisa e esconde o Minotauro. Contraditoriamente é a arma que deram ao monstro contra suas vítimas” [1]. Sua arquitetura possui inúmeros corredores tortuosos que parecem não ter começo nem fim.[2]

Borges diz que “um labirinto é uma casa edificada para confundir os homens; sua arquitetura, pródiga em simetrias, está subordinada a esse fim”. O autor entende e valoriza o imaginário labiríntico enquanto símbolo da perplexidade da humanidade diante dos mistérios da vida. Borges transmite essa sensação com perfeição em sua obra. Uma explosão textual que confunde e gera múltiplas bifurcações e becos sem saídas. Bachelard compreende o labirinto como um “desnorteamento de um viajante que não encontra seu…

Ver o post original 1.485 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s