O prazer idealizado pode estar onde você menos procura

N o começo achei que era pura doideira minha ficar idealizando algumas cenas, conversas futuras que teria com pessoas, as músicas que tocariam no momento, como estaria o tempo e outros detalhes do cenário imaginário, mas esta semana, sem querer, topei com uma explicação que resumiu meu desconforto com esta prática.

Sempre tive uns lances esquisitos de me imaginar fazendo as coisas no futuro. Minha esquisitice foi passando de fase e cheguei as mais variadas versões quando comecei a desenhar mentalmente os ambientes nos mínimos detalhes. Vou descrever alguns exemplos para tentar explicar melhor.

O sonho de morar na praia me acompanha praticamente desde a minha adolescência. Até aí, sem grandes novidades, pois sei que muita gente sonha ou sonhou com isso em algum momento de insatisfação, e que o sul da Bahia servia de Shangri-lá em dias de greve do metrô ou alagamento da marginal. Todo aquele lance de…

Ver o post original 739 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s