Solitude

Whitman's Bar

Abandono (1930) Oswaldo Goeldi “Abandono” by Oswaldo Goeldi (1930)

Tentei ser uma versão pouco odiável,
deixei de ser abismo,
busquei paz,
abandonei o medo;
no fim, sobramos eu e minha dor.
Unidas por um pedaço de carne
que quem provou cuspiu.
Foi difícil entender
por quê ninguém me olhava,
até perceber
que eu só espelhava desespero;
e estavam todos fartos,
e o meu cansaço me caía bem.
Em toda a minha vida
algo me instigava a ser só,
e ainda que teimasse,
quem comigo estava
não pôde nunca permanecer.
E, mergulhada em solidão,
fui grata por quem me amou;
soube de todos os meus amigos
e ninguém soube de mim.
Acatei os sinais da vida,
me encolhi em meus receios,
abracei cada pedaço,
e toda aquela raiva amarga
se fez mar.
Toda a angústia quebrada
virou silêncio.
À luz dos momentos de calma,
de discernimento da felicidade
e da infindável paixão pelo tempo,
a aceitação…

Ver o post original 23 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s