A agressividade em Nietzsche

eu(em)torno

agressividade

Publico abaixo um texto antigo, sobre a agressividade em Nietzsche. Parece interessante contrapô-lo, hoje, ao texto que publiquei imediatamente antes, sobre “continente e violência”, já que, em certa medida,  o texto anterior responde antecipadamente à este. De fato, no texto sobre “continência” vemos uma hipótese de A. Ferro criticando a existência de um ‘excesso pulsional’ no humano, e atentando para uma defasagem no lado relacional, social ou ‘mental’ da balança. Numa primeira visada, essa crítica valeria para a hipótese nietzscheana também, já que essa se baseia num excedente pulsional agressivo. Mas olhando bem, é possível argumentar que cabe na hipótese do filósofo alemão uma defasagem no ‘continente’, dado que o animal humano, antes de ser dominado e escravizado, viveria uma relação de pura expressão agressiva com o ambiente. Numa palavra, a escravidão teria transformado o ambiente de maneira brutal, e essa transformação, e não o excedente pulsional, seria o decisivo. Discussões…

Ver o post original 1.379 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s