Balanços do olhar

Espelhos do Mundo

Artistas ou não, nem mesmo vendados escapamos das imagens que a luz nos revela. Ainda que elas constantemente nos escapem, a fotografia permite capturar alguns de seus instantes. Não se engane: através de uma câmera não aprisionamos uma parcela do mundo nem do tempo. Na fotografia, pelo contrário, abrimos novas possibilidades ao expor o nosso olhar: uma comunhão daquilo que nos circunda com as nossas próprias vivências. Como num prisma, a luz perpassa nosso olhar transformando-se em inúmeras nuances de um quadro único.

Ajustar o nível de exposição da luz ao fotografar nada mais é do que ajustar o que vemos àquilo que queremos expor, expressar, através de tal captura única. A velocidade do obturador traduz como percebemos o tempo em determinada imagem: pode-se congelar a fluida força de uma cachoeira jorrando longos fios brancos, ou seus pingos nítidos demonstrando sua cristalina pureza. A abertura do diafragma reflete o quanto…

Ver o post original 318 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s