Eureka

Historia Non Grata

Havia muito o que se fazer no resto da casa, mas, ainda assim, estava há mais de uma hora no celeiro. Mesmo sendo a segunda maior construção da propriedade, era a mais fácil de cuidar. Meia dúzia de galinhas velhas ciscavam ali perto e um único galo se fazia presente para cantar rouco toda manhã. Não fazia diferença, porém, pois em resposta ao raiar do sol somente virava-se na cama e voltava a dormir até ser acordado de vez pelo despertador.

Odiava a vida no campo com todo seu ser. Detestava a lama que se formava quando chovia e o silêncio sepulcral que vinha com a noite. Repudiava o som dos grilos, das galinhas, das vacas e do cavalo, mesmo que esses dois últimos não habitassem a casa de campo há muito. Pela manhã o silêncio só era rompido pelo eventual farfalhar das árvores ao vento. Antigamente, em alguns fins…

Ver o post original 507 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s