BEARDSLEY: DECADENTISMO E GENIALIDADE

Universo R

Carlos Henrique Leiros

Bufões, odaliscas e fâmulos tracejados finamente, com detalhes em miniatura nas vestimentas suntuosas. Gravuras sob fundo branco ou sépia, recriando uma atmosfera de sonho opiáceo, para ornamentar livros ou cartazes. Arte sem disfarces. Coisa rara nos dias de hoje. Bem-vindos ao mundo de Aubrey Beardsley.

Influenciado pelo Movimento Pré-Rafaelita de Rossetti, Burne-Jones e Everett Millais, cuja beleza vem servir de contraponto a um facies tão incomum, Beardsley não fugiria, nem que quisesse, à condição de esteta e gênio. Aliou com maestria os ideais decadentistas da sua época (Século XIX) – a beleza imposta sem limites; o luxo; a extravagância; o culto ao vício e as paixões – à perfeição clássica da Grécia e sua mitologia. As ilustrações que fez para Salomé, peça de Oscar Wilde, são uma amostra exata do perfeccionismo extremo com que Beardsley se dedicou à verdadeira Arte.

Fidalgos dos livros como Des Esseintes (da…

Ver o post original 111 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s