Se tudo é política, cultura também é (revolução) [resenha]

Antimidia

Para o dicionário Aurélio arte é: “Atividade que supõe a criação de sensações ou de estados de espírito, em geral de caráter estético, mas carregado de vivência íntima e profunda, podendo suscitar em outrem o desejo de os prolongar ou renovar”. Não era exatamente isso que alguns tinham em mente nos anos de 1950 e 1960. Artistas revolucionários e de vanguarda viam na arte algo muito além de uma atividade, mas concordavam no que diz respeito ao renovar. Sob tais olhos arte é uma forma de revolução e entendimento da realidade.

O engajamento cultural dos anos 1960 tem laços bastante fortes com a militância política. Resquício da divisão do mundo entre Estados Unidos e União Soviética no pós-guerra. A revolução industrial no Brasil na década de 1950 também impôs uma nova estrutura social e política duramente questionada pelos movimentos de vanguarda. Existia uma tendência aguda por parte dos movimentos de…

Ver o post original 1.529 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s