Fotografia Surrealista

Sobre fotografia, cinema, histórias e afins

Man Ray, Dora Maar, Alvarez Bravo, Brassai, Andre Kertesz e Henri Cartier-Bresson. Durante os anos 1930, suas imagens personificaram o lado mais intenso do surrealismo.

As imagens são confrontadas por técnicas de animação. São desmontadas e remontadas, trazidas de volta à vida, exibindo-nos as escolhas, descobertas e sua força interior.
Cada fotografia exibida em filme se torna uma estória em si mesma, um pequeno drama fotográfico que só termina na imagem final.
O público participa do processo, do trabalho com a luz e enquadramento, da superesposição, solarização, fotomontagem e lentamente se torna ele mesmo parte deste jogo intrincado entre fotografia, imaginação e realidade.

Cada fotografia é um enigma. Um momento congelado num retângulo. Jamais saberemos o que aconteceu antes ou depois de ser tirada. O que teve de ser movido, ajustado, aguardado ou provocado para que todos os elementos de repente conspirassem no enquadramento e produzissem uma imagem que, depois…

Ver o post original 74 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s