Texto publicado na revista eletrônica da Dublinense (27/01/2017): “Em defesa da imperfeição”

O Homem Despedaçado

Na minha coluna dessa semana no Medium da Dublinense, eu falei da busca eterna por perfeição – e por que saber conviver com as imperfeições é mais legal.

Aproveitei para falar de um conto de Emile Zola, que primeiro me irritou e depois me fascinou; também tratei de Leonardo da Vinci e da sua dica para os artistas que estiverem divididos entre fazer uma obra perfeita ou sustentar aos seus filhos; comentei sobre Murilo Rubião e a sua luta implacável com as palavras, tudo para terminar falando de Balzac e a sua visão de que a verdadeira perfeição não é aquela que buscamos para mostrar para os outros, mas a que precisamos ter perante nós mesmos.

Boa leitura!

Em defesa da imperfeição

Começarei admitindo o óbvio: não somos perfeitos. Ninguém é, e ainda bem. Os que acreditam ter chegado lá logo descobrem que falta um detalhe, uma aresta a ser…

Ver o post original 1.805 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s