A Crise Carcerária e os Moinhos de Gastar Gente

O Barômetro - A Economia sob Pressão

A crise carcerária avança pelo Brasil e assume ares de barbárie televisionada, com o confronto campal entre facções criminosas no Rio Grande do Norte. Os mais de 140 mortos em presídios do norte e nordeste nos primeiros dias de 2017 sugerem que o fim da crise está longe. Por isso, vale a pena refletirmos sobre suas causas e como enfrentá-las.

A relação entre concentração de renda e encarceramento é bastante nítida. Quanto mais desigual uma sociedade, maior sua taxa de encarceramento. É claro que o fenômeno prisional é muito complexo para se encaixar numa mera correlação com o bem-estar social. No entanto, temos aqui uma pista relevante sobre como a iniquidade econômica promove um sistema social excludente produtor de delitos em massa, com claros recortes étnicos, como mostramos anteriormente aqui.

Destaca-se, no gráfico abaixo (para países do G-20), o estarrecedor caso norte-americano de ultra-encarceramento, brilhantemente retratado no recente documentário original da Netflix…

Ver o post original 861 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s