Sentir é muito lento

Estações Maria

O mundo que me deu de comer o beabá, hoje oferece tigela pequena demais pra minha fome. Aqui passarinho não voa. Também não pousa. Repara esse azul fingindo que é céu. No inferno também tem catracas? De uma coisa eu sei, nesses corredores não cabem a revolução. Nenhum desses livros esquecidos sustentam  as rachaduras da alma. Vive uma lei que diz que onde está o corpo, os pensamentos perdidos. No camarim só ator mal pago, distraídos parecem obra de Van Gogh dividindo pinceladas com Picasso.

Ah, poeta, mas nós carregamos todos os sonhos do mundo. Pra que serve essa garoa dos olhos se não pra regar as sementes.

Se hoje me vejo artista é que canários bicaram nas folhas coloridas desse meu caderno sem listras que todo professor poesia. Se antes queria criar vida, agora sei que elas são mãe solo, meu único papel é cantar. Quem canta os peitos…

Ver o post original 22 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s