As hidrelétricas e o rio

Lúcio Flávio Pinto

Em 30 de setembro deste ano o rio Madeira atingiu a sua cota mais baixa na última década, quando seu nível baixou para 1,98 metros. Na segunda-feira passada suas águas subiram um pouco, para 2,07 metros, o que caracteriza um dos períodos de maior estiagem de todos os tempos. São sete metros abaixo do mesmo período do ano passado. A situação mais crítica está em um trecho de 400 quilômetros, entre Porto Velho, a capital de Rondônia, e Manicoré, no Amazonas.

Segundo o Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial do Estado do Amazonas, o problema decorre da falta de chuvas, da ausência de dragagem para remoção dos sedimentos e do barramento das usinas hidrelétricas de Santo Antônio e de Jirau, em Rondônia, que reduziu a vazão de água.

Os transportadores pressionam para maior liberação de água através das comportas das barragens das duas usinas, das maiores do Brasil. O sindicato…

Ver o post original 467 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s