Pressão baixa

Andreia Evangelista

Fico vendo cenas de superação para chorar, tenho que desentupir as vias lacrimais, lubrificar os canais, ceder… amolecer, afeminar a algazarra que me fiz
Essas faltas de pontas, de todas as pontas vai me entregar aos argumentos de solidão que empilho ao lado da cama.
Ando fazendo vigília, o poder se manifesta na madrugada.
E aceitei que não faz muito sentido, nada faz sentido, o que me acalma, me tira da perseguição que me persigo.
Sempre fiz desse modo, não sabia reconhecer que era fome. Desmaiava com hipoglicemia, lábios roxos, toda pálida… Pressão baixa, mãos suadas e tudo girava, no fundo eu gostava. Me pegavam no chão desfalecida, me enfiavam agulha na veia… tudo tão dramático que eu ria por dentro. Eu anorexa, nem pensava em morrer, nem em sumir, gostava mesmo de comover. Fico vendo cenas de ressurreição para me nutrir. Aqueles lá mataram minha fé, aprendi a…

Ver o post original 9 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s